Acesso Rápido

Menu de Credenciados

Menu de Usuários

Redes Sociais


Assessoria de Comunicação Lista de Noticias Bons hábitos auxiliam no controle da hipertensão arterial
voltar imprimir
Aumentar texto Diminuir texto
Bons hábitos auxiliam no controle da hipertensão arterial PDF Imprimir

alt

No Dia Nacional de Combate à Hipertensão Arterial, o Centro Integrado de Diabetes e Hipertensão (CIDH), do Governo do Ceará, faz um alerta para a prevenção e o controle da hipertensão arterial. Em relatório recente do Ministério da Saúde, através do sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), ressaltou-se o aumento de doenças crônicas no período de uma década. A hipertensão arterial, por exemplo, apresentou um avanço de 14,2%. Passou de 22,5% em 2006 para 25,7% em 2016. O melhor tratamento para as pessoas com hipertensão é a mudança no estilo de vida, com a adoção de uma dieta balanceada, aliada à prática de exercícios pelo menos três vezes na semana.


Caracterizada pela elevação da pressão do sangue nas artérias, a hipertensão arterial é uma doença crônica assintomática. "A hipertensão arterial normalmente não apresenta sintoma, a não ser que suba muita rapidamente e para valores muito elevados. Nesse caso, o paciente apresenta um quadro intitulado de ”crise hipertensiva” que pode ser caracterizado por dor de cabeça, náuseas, vômito e tontura", explica a endocrinologista do CIDH, Adriana Forti. E foi assim que o aposentado José Valmir Rodrigues, de 66 anos, diagnosticado hipertenso desde 2007, descobriu que estava com o problema. "Eu bebia muito e consumia alimentos da rua, com sal e gordura. E o dia seguinte a essas noitadas eram terríveis. Sentia muita dor de cabeça, uma agonia como se me faltasse ar. Fui ao médico e foi assim que descobri que minha pressão estava bem acima do normal", diz.


Incidência da doença


A hipertensão arterial é uma doença que atinge uma em quatro pessoas adultas no Brasil. A hipertensão é responsável por 40% dos infartos, 80% dos derrames e 25% dos casos de insuficiência renal terminal, segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão. O diagnóstico precoce é muito importante. Uma pessoa é considerada hipertensa quando os níveis de pressão arterial estão acima de 14 por 9 (≥ 140 e/ou 90mmhg). "Entretanto, para se evitar a hipertensão do 'jaleco branco', ou seja, o aumento da pressão arterial somente quando o paciente está na presença do médico, para se fazer o diagnóstico de hipertensão deve se ter, pelo menos, duas medidas de 14 por 9, em ocasiões diferentes", explica a endocrinologista. Os adultos devem medir a pressão a cada seis meses, principalmente quem tem casos de hipertensão na família.


A hipertensão não tem cura, mas tem controle. "Uma vez controlada, a pessoa com hipertensão vive bem e com qualidade", diz a médica. Com idas regulares ao CIDH, José diz que mudou seu estilo de vida. "Hoje quase não bebo e me alimento bem, evito fritura e sal", conta. Vários são os fatores de risco para a hipertensão arterial. Entre eles está a predisposição hereditária, a obesidade, o diabetes, o consumo excessivo de sal e álcool, o estresse e o sedentarismo.


Atendimento no CIDH


O paciente de primeira vez é encaminhado ao CIDH pelas Unidades Básicas de Saúde dos municípios. O paciente inicialmente é atendido pelo setor de enfermagem, onde tem o histórico avaliado, além da medição da pressão, peso e a glicemia capilar, e logo é encaminhado para o médico. A depender da complicação que apresenta, ele poderá ser visto pelo clínico ou pelo especialista (cardiologista, nefrologista, vascular, neurologista, oftalmologista).


Também será encaminhado ao nutricionista, para orientações sobre os hábitos alimentares e ao fisioterapeuta, caso haja necessidade. Vale lembrar que os pacientes também serão atendidos na atenção primária, visto que a consulta no CIDH é complementar ao tratamento na atenção primária em saúde. O atendimento acontece de segunda a sexta-feira, de 7 às 17 horas.


Bons hábitos


O melhor tratamento para as pessoas com hipertensão é a mudança no estilo de vida, com a adoção de uma dieta balanceada, aliada à prática de exercícios pelo menos três vezes na semana. A endocrinologista do CIDH listou algumas dicas:


- Fracione a alimentação, ou seja, coma de três em três horas.

- Faça atividades físicas.
- Reduza o consumo de sal.
- Consumir carne vermelha no máximo duas vezes por semana. Dar prioridade às carnes brancas.
- Frutas e verduras devem ser prioridade na dieta.
- Por terem um alto teor de sódio, os alimentos industrializados devem ser evitados.
- Evite o consumo de bebidas alcoólicas, principalmente as destiladas, que muitas vezes causam o aumento da pressão.
- Refrigerantes devem ser evitados, por causa do excesso de açúcar e de sódio.
- O excesso de cafeína deve ser evitado.
- O consumo de castanhas, nozes e gergelim (todos sem sal) auxilia a baixar o mau colesterol (LDL) e a subir o bom colesterol (HDL).




25.04.2017


Assessoria de Imprensa – Lacen/ IPC / CIDH
Suzana de Araújo Mont'Alverne
(85) 3101-1488
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

Serviços

Agenda - Outubro 2017

Do Se Te Qu Qu Se Sa
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31 1 2 3 4

Instituto de Saúde dos Servidores do Estado do Ceará - R. Senador Pompeu, 685 - Centro, Fortaleza/Ce

CEP: 60.025-000 - Fone: (85) 3101.4803 - Localização no Mapa

© 2008 - Governo do Estado do Ceará. Todos os Direitos Reservados